Conheça o Sana (RJ), suas cachoeiras e trilhas

Sana é um destino cobiçado pelos amantes da natureza e aqueles que anseiam por tranquilidade. O Arraial do Sana é famoso por reunir o pessoal “hippie”, mas, ao contrário do que se pode pensar, não tem só “maluco beleza”. Os atrativos locais chamam a atenção de públicos variados.

Localizada na região serrana de Macaé, com clima gostoso de montanha (300 a 500 metros de altura), cachoeiras e trilhas,  moradores acolhedores ♥ Sana é um lugarejo simpático que conta com uma infraestrutura adequada para atender aos visitantes. O distrito divide-se entre três regiões (Barra do Sana, Cabeceira do Sana e Arraial do Sana).

⚑ coordenada: -22.328155, -42.180091

  Como é a cidade

Para chegar é preciso enfrentar uma estrada em condições precárias — e, pessoalmente, tenho a impressão de que a dificuldade de chegar serve como proteção do lugar. Passado o portal da cidade, você adentra em um cenário bucólico: o chão de paralelepípedo, as casinhas simples, as pessoas acolhedoras, ornam com a aura de Sana e suas belas paisagens.

Hoje, apaixonados por esse cantinho da terra investiram seu lugar ao sol por ali. O turismo sustenta a economia local e esses imigrantes colaboraram com sua força de trabalho e empreendimentos (pousadas, albergues, hoteis, áreas de campings, restaurantes, lanchonetes, bares, etc.) que garantem uma estrutura possível de receber quem deseja por ali passar.

Apesar dos mil relatos a respeito do estilo de público que impera o Sana (os ripongas) eu realmente não encaro dessa forma. Chego a discordar. Vi mais famílias tradicionais do que pessoas “vibe aquarius nova Era“. Então, se você se afastaria desse lugar por pensar que não se adaptaria às pessoas, pode rever seus conceitos… E se você é roots, aproveite toda a magia do local agregador de trilheiros, campistas, mochileiros, boêmios e artistas!

No centrinho concentra-se a parte comercial do lugar. E a pé chega-se fácil às cachoeiras mais famosas.

Para comer

Espaço Larica’s ( -22.328236, -42.185282), um charme! No terreno passa um rio delicioso. Comemos bem, fomos super bem atendidos e ainda cochilamos na rede.

Ao lado da padaria (também, em frente à Igreja) tem uma pensão que serve uns caldos muito gostosos.

  Atrativos naturais

Para informações turísticas no local, busque o portal da cidade e na feira de artesanato Cria Sana ( -22.325183, -42.182373), que fica em frente à Igreja Católica de Sana. Considero este o ponto de partida para a construção do mapa das trilhas:

*informações meramente ilustrativas, apenas para tomar como base.

Circuito das cachoeiras

A cachoeira do Escorrega tem esse nome por permitir que os banhistas brinquem na pedra lisa em declive até um poço maior. Super divertido, só não desleixe na atenção ao atravessar o rio para evitar acidentes. Lembre-se de verificar os limos nas pedras e testar o passo antes de firmar o corpo. No mais, brinque a vontade! 😉

Para chegar, basta seguir a trilha que inicia no Restaurante Macaxeira (é super bem sinalizada) por aproximadamente 7 minutos (360 m.) e pegar a primeira porteira a esquerda.

Seguindo rio acima, você encontrará a cachoeira Recanto das Borboletas  e Poço das grutas, com um poço menor e mais tranquilo. Para sua segurança, prefira retornar para a trilha principal e ande até a segunda porteira (15 minutos de distancia, 740 m.), que dá acesso à cachoeira. Esses trechos (das cachoeiras do Escorrega e das Borboletas) é considerado o ideal para as crianças.

É mais aventureiro? Então volte para a trilha principal e siga até a terceira porteira (30 minutos do Restaurante Macaxeira/1330 m.) Esse trecho resguarda as cachoeiras das Sete Quedasdo Pai, do Filho e da Mãe.

Cachoeira das Sete Quedas

Atravesse o rio, pois a trilha segue pelo outro lado. A primeira (Sete Quedas) conta com um poço e uma queda d’água que garante aquela ducha boa! Delicinha 🙂

Descendo o rio, fica a cachoeira do Pai tem uma queda de 12 metros de altura com um poção fundo. É super comum ver gente saltando no poção e escorregando pela pedra até a cachoeira do Filho. Se você não quiser saltar, não se desespere, pois é possível acessar essa cachu pela trilha.

Cachoeira do Pai, vista da cachoeira da Mãe

Para fechar o circuito, a cachoeira da Mãe. Deite-se na pedra e aproveite o belo visual!

*na alta temporada o acesso às cachoeiras é cobrado. O valor varia de R$5 a R$10.

Condições da Trilha do circuito de Cachoeiras

Dificuldade: leve
Tempo de caminhada: aproximadamente 40 min., no total, desconsiderando as paradas.
Distância a ser percorrida: aproximadamente 2 km. da Igreja até a entrada da 7 quedas.
Características do terreno: arenoso, erosivo, escorregadio, subidas leves.
Severidade do meio: umidade.
Obs.: a classificação é informativa e não substitui a confirmação e verificação da situação real e das condições do ambiente  no dia da trilha.

Outras cachoeiras

Quando estivemos em Sana não temos tempo de explorar como gostaríamos. Soubemos de inúmeras trilhas e cachoeiras super legais, mas só conseguimos conhecer duas cachoeiras fora do circuito mais famosinho: a cachoeira das Andorinhas (-22.260465, -42.167389) e a Singela.

Da Igreja (nosso ponto de partida), siga por uma estrada de terra por aproximadamente 30 minutos. O carro não chega até a entrada da trilha, pois no último trecho tem uma subida muito sinistra, que pode acabar com seu carro. Você passa por uma cerca e desce se guiando pelo barulho da água.

Coordenada da entrada da trilha para cachoeira das Andorinhas: -22.260078, -42.168347

Condições da Trilha para cachoeira das Andorinhas

Dificuldade: leve
Tempo de caminhada: aproximadamente 5 min.
Distância a ser percorrida: aproximadamente 200 m.
Características do terreno: pasto e trecho erosivo.
Severidade do meio: alta umidade.
Obs.: a classificação é informativa e não substitui a confirmação e verificação da situação real e das condições do ambiente  no dia da trilha.

Se tiver oportunidade, pergunte pelas cachoeiras  Roncadeira ou do Tamanduá, do Segredo (córrego do Segredo); cachoeira da Boa Sorte (córrego da Boa sorte); cachoeiras do Vaguinho, Santa Rosa (córrego das Andorinhas).

Trilha para a pedra do Peito do Pombo

A mesma trilha que leva ao circuito de cachoeiras inicia a trilha para o Peito do Pombo. Basta continuar subindo, seguindo a trilha demarcada. Em um determinado momento, você passará por um portão e adentrará em uma propriedade privada, vai seguir mais um pouco, atravessará um rio, subir de descer uma colina. A partir daí começa a subida mais puxada.

Da trilha é possível avistar o pico do Peito do Pombo

Nessa colina provavelmente você encontrará umas vaquinhas. Não estranhe, é por ali mesmo, sobe, sobe, sobe até avistar uma clareira. Dali a demarcação da trilha fica mais evidente. Você vai descer a colina no sentido do morro do Peito do Pombo e depois recomeçar a subir no sentido do pico.

Travessia do rio do Peito do Pombo, pelas pedras. Passe com cuidado para não molhar sua bota/tênis.

Pedras escorregadias, subidas ingrimes, apoio de cordas improvisadas. Passado por isso, com aproximadamente 1 hora você conquistará o mirante (1170 metros de altitude). Aproveite!

Em trilhas, eu tento demonstrar minhas impressões de maneira mais imparcial possível por que uma mesma pessoa pode ter inúmeras opiniões a respeito de um trajeto, dependendo do dia em que for; assim como várias pessoas diferentes podem discordar a respeito de uma trilha que fizeram juntas.

Pesquisando sobre o Peito do Pombo, encontrei informações que garantiam uma extrema dificuldade de manter-se na trilha, outras pessoas diziam que não tiveram problemas em transitar por ali; sobre o nível de dificuldade, também li relatos diversos: muito difícil (em um nível de haver casos de desistência) ou muito tranquilo e até agradável… Então, sempre que você ler sobre trekking aqui no caminhoZ.com encontrará informações muito objetivas. Para detalhes pessoais, pergunte nas redes sociais (facebook ou instagram).

Condições da Trilha para a Praia do Perigoso

Dificuldade: leve
Tempo de caminhada: aproximadamente 45 min.
Distância a ser percorrida: aproximadamente 2 km. até a praia do Perigoso.
Características do terreno: arenoso, erosivo, escorregadio, subidas e descidas não muito longas.
Severidade do meio: trechos descampados e com pouca circulação de ar.
Obs.: a classificação é informativa e não substitui a confirmação e verificação da situação real e das condições do ambiente  no dia da trilha.

  Dicas

A magia do lugar funciona melhor se você se deixar desconectar da “babilônia”. Não se preocupe com sinal de telefone ou internet. Deixe seus preconceitos de lado, respeite os moradores e o lugar: não polua (com lixo, sons altos ou ou qualquer outa coisa) e seja gentil.

Leve dinheiro! Nem todos os lugares aceitam cartão e lá não tem caixa eletrônico.

* os preços e duração de viagens podem variar


Você já foi? Tem alguma dica que não consegui citar aqui? Fala comigo nos comentários!