Desbravando o Parque de Ibitipoca (MG)

O parque Estadual do Ibitipoca reserva belas e agradáveis surpresas. É melhor estar preparado para obter o melhor desse incrível lugar. Tome nota das ricas informações que detalhei para você que quer conhecer e aproveitar o melhor desse lugar mágico, que é um dos meus preferidos no mundo!

Desse artigo vou focar nas atrações do parque, que fica a 3 km. do centrinho da cidade. Se você quer saber mais detalhes sobre como chegar, o que fazer, onde comer e dicas locais sobre Conceição do Ibitipoca confira o artigo com mais sobre a vila.

• Duração ideal da viagem: 2 a 3 dias.

• Particularidade da região: lindos cenários exóticos, com muitas grutas e cachoeiras com uma água muito (mas, muito mesmo!) gelada de coloração âmbar por conta da composição orgânica típica.

• Época do ano: todo o ano; no verão tenha cuidado com as fortes chuvas e no inverno prepare sua melhor roupa de frio.

Condições das Trilhas do Parque

Dificuldade: leve a médio

Características do terreno: há muitos tipos de terrenos diferentes. A maior parte é rochosa, arenosa, erosiva, escorregadia, com trechos de subidas e descidas acentuadas.

Severidade do meio: exposição ao clima, por conta da vegetação baixa (descampada). Alta umidade do ar e trechos sem proteção natural contra os ventos. Em períodos de chuva, evite andar pelo parque. Perigo de raios.

Obs.: a classificação é informativa e não substitui a confirmação e verificação da situação real e das condições do ambiente  no dia da trilha. Descrevi mais detalhes para cada circuito e trecho mais abaixo.

Para aproveitar ao máximo as atrações do parque é preciso usar o seu tempo com sabedoria. O parque tem horário de funcionamento e você não quer perder nadinha desse lugar maravilhoso, não é mesmo? É possível  acessar os pontos fazendo os 3 circuitos de trilhas sugeridos aos visitantes.

Agora, se você prefere um estivo de viagem slow living basta escolher uma das opções pontuais e seguir para sua aventura particular. Abaixo, descrevi cada um dos pontos de visitação, com indicação da distância deles para o portão de entrada do parque. Considere essas informações unidas ao mapa detalhado que preparei para vocês. Aproveite, e boa viagem!

 Postos de controle  – Infraestrutura

Centro de Visitantes – 1.300 metros do portão de entrada do parque.
Camping  – 1.600 metros da entrada do parque.
Lanchonete / restaurante  -1.700 metros da entrada do parque.

 Gruta dos Coelhos

1.200 m. – Essa gruta fica próxima ao estacionamento, antes mesmo de chegar nas trilhas dos circuitos você pode ter acesso a ela. Grande, escura e não muito profunda, é bom o uso de lanternas para a sua segurança.

O Parque é muito bem cuidado e conta com informações e sinalizações que o ajudam a aproveitar ao máximo das atrações.

    Circuito das Águas

Percurso total: aproximadamente 7,5 km. O caminho começa atrás do restaurante e cerca o rio, que forma um monte de cachoeiras. O legal desse circuito é que ele é o mais curto dos três percursos e você pode ir parando em vários pontos para mergulhar nas águas geladíssimas revigorantes desse belo lugar. Sugiro fortemente que inicie o circuito por baixo, mas fica a vontade para me desobedecer, tá?! Hehe

Trecho do circuito das águas

 Gruta dos Gnomos

2.000 m. – Descendo pelas pedras no sentido do rio, atravesse até o outro lado da margem para checar a Gruta dos Gnomos. A água sai de algum canto da paredão e vai escorrendo, empoçando no Lago das Miragens. Ficamos tentados a tentar passagem por ali, mas achei perigoso.

 Lago das Miragens

2.100 m. – O poço permite uma nadadinha (se você aguentar a água ultra gelada) e até um salto a partir de uma pequena fenda formada no paredão de Santo Antônio (icônico). Deitar ali na pedra e aproveitar o visual é uma ótima pedida!

 Ponte de Pedra

2.500 m. – A Ponte de Pedra é uma formação rochosa que lembra um arco, formado há milhares de anos pela força da água. Possui aproximadamente 40 metros de altura. Você pode ficar embaixo da “ponte” e também acessá-la por cima.

 Cachoeira dos Macacos

3.100 m. – Para acessar essa cachoeira é preciso um pouquinho mais de atenção à trilha. Depois de um curto declive acentuado, você voltará a avistar o rio. Siga no sentido contrário a da correnteza por uns 40 metros, e avistará a queda d’água de cerca de 25 metros de altura. Mais uma parada com pedida de mergulho! Sente-se ali, abra seu lanchinho e dedique um tempo na contemplação desse cantinho maravilhoso.

 Pedra Quadrada

3.200 m. – Andando pelas pedras no fluxo do rio você vai se deparar com um penhasco. Com muito cuidado, olhe para baixo que avistará a Pedra Quadrada.

O Circuito das Águas continua, mas agora por cima do paredão Santo Antônio. De cima a graça do passeio é outra. Nessa parte do caminho você verá o rio, mas não poderá tocá-lo o tempo inteiro. Muitos mirantes e um visual lindo das montanhas irão agraciar seus olhos. Caminhe com a certeza de que ainda tem muitas coisas legais lá para cima. Ali você caminhará entre a vegetação nativa, que é baixinha, tornando sua oferta de sombras bastante escassa. A garrafinha de água, o chapéu e o protetor solar que indiquei que levasse aqui no início dessa postagem agora serão muito bem vindos. Depois me agradece 😉

Na primeira bifurcação, messa suas forças com sabedora. Se estiver com a bateria (comida, água ou energia) acabando vire para a esquerda e descanse um pouco na Prainha das Elfas ou pare para um lanche no Restaurante. Está descansado e com a vibração necessária para explorar mais lugares? Avante sentido Gruta do Monjolinho!

 Gruta do Monjolinho

3.400 m. – Este é, sem dúvidas, um dos lugares mais incríveis do parque! Para começar, você tem uma extensão de areia gostosinha para dentar e descansar. Quer um mergulho? Cai no poção fundo e grande, que dá até para nadar de braçadas. Agora, o melhor é: a água cai de um nível mais alto que o do poço, para dentro de uma gruta esculpida pela ação da água. Você consegue acesso para a gruta mergulhando por entre um buraco submerso. É muito irado!

Se até agora você ainda não conseguiu reunir a coragem necessária para encarar a água ultra gelada, essa é a hora da motivação chegar!

 Lago dos Espelhos

2.600 m. – Areia, queda dágua, vegetação (garante sombra para você e privacidade ao cantinho). Essa cachoeira também é muito boa. Um dos pontos mais visitados do parque. Fiquei mais de uma hora ali, dentadona, mergulhando de vez em quando.

 Lago Negro

2.400 m. – A cor da água é de coca-cola: no raso é avermelhada, no fundo é mais escura. Deitar na margem do rio e ouvir o som da água rolar é a pedida do lugar.

 Represa do Lago

2.300 m. – A água vai escorrendo pelas pedras nada lineares, formando poços maiores, menores, e em alguns trechos forma apenas uma lâmina d’água. Procure por ali uma queda d’água e tente, com cuidado e atenção para não escorregar, ficar em baixo dela. É uma baita ducha gostosa e revigorante!

Se não quiser se arriscar, deite na pedra por onde a água escorre que também vale para se molhar 😉

 Prainha das Elfas

1.700 m. do portão do parque / 4.300 m. contornando o circuitos das Águas inteiro – Pode ser ponto de partida ou chegada do circuito. Essa cachoeira é ótima para deixar as crianças brincarem a vontade.

    Circuito do Pico do Pião

Percurso total: aproximadamente 11 km.  O ponto forte desse percurso é a caminhada, em si. Para quem gosta de praticar trekking em montanhas, com belas visões panorâmicas e paisagens exóticas.

 Gruta do Pião

4.400 m – Proibido para claustrofóbicos, essa gruta é muito apertada e estreita, mas extensa. Há trechos em que é preciso agachar-se. É necessário o uso de lanternas.

 Pico do Pião

6.000 m. –  Um visual lindo das muitas montanhas da região. Dali de cima tudo parece frágil e pequeno. O ideal é visitar em um dia de céu aberto, e não muito cedo (pela manhã há muitas nuvens, que dificultam a visualização), mas com nuvens também pode ser legal, com uma energia de filme de terror (haha!).

 Gruta dos Viajantes

6.000 m. – Descendo por umas escadas de madeira que dá acesso à gruta, pare ali e pense na a história que essa formação guarda da humanidade. Algumas grutas da região serviam de abrigo a passantes e algumas amparavam quilombos no tempo da escravidão. Essa galeria é grande e espaçosa, e você pode visitá-la sem lanterna.

 Lagoa Seca

6.900 m. via trilha janela do céu / 12.300 . via trilha do Pião – Um cenário completamente diferente do que viu até agora. Uma areia branca e a vegetação local tomando parte do espaço. Se você estiver aqui, conecte as trilhas (vindo do Pião, siga para Janela do Céu e vice-e-versa).

    Circuito da Janela do Céu

Percurso total: aproximadamente 15 km. Na verdade, é possível fazer todo o percurso até a Janela do Céu, parando nos pontos aqui listados e voltar pelo circuito do Pico do Pião. Há uma ligação entre os trajetos oficiais, para você bater mais pontos turísticos, andando menos.

 Pico do cruzeiro

3.100 m. – Uma cruz de madeira sinistra marca o local. Tem uns banquinhos de madeira cercando a cruz, que serve de acento para quem quiser contemplar a vista dali.

 Gruta da Cruz

3.200 m. – Depois de passar pelo Cruzeiro, siga para a Gruta da Cruz. Possui duas galerias, uma com uma abertura no teto (tipo claraboia, iradíssimo). É possível atravessá-la, saindo pelo outro lado da gruta. O pessoal improvisou uma estrutura com escadas de madeira para ajudar no deslocamento.

 Pico da Lombada

4.800 m. – Este é o ponto mais alto de toda a Serra do Ibitipoca, com 1.784 metros de altitude e uma visão privilegiada. Um “banquinho” de pedra, de formação natural, marca o local.

cachoeirinha

 Gruta dos Três Arcos

5.930 m. – Passado Pico da Lombada, desça pela trilha seguindo a sinalização. A Gruta dos Três Arcos é uma das mais bonitas do Parque: 3 portais grandões, com teto alto e bem iluminada.

 Gruta dos Fugitivos

6.000 m. – Uma das mais belas grutas da região, com um monte de cantinhos para fotografar. Leve lanterna para atravessá-la (há uma saída do outro lado). Para a sua segurança, verifique a sinalização para saber se a gruta pode ou não ser explorada, pois já esteve interditada.

 Gruta dos Moreiras

6.100 m. – Se você gosta de explorar cavernas, esse é o seu lugar. Ande com a lanterna nas mãos e, ao pisar, tenha muita atenção ao chão irregular.

 Cachoeira Pequena/ Cachoeirinha

7.500 m. – Uma queda d’água de 40 metros te aguarda. Essa cachoeira é linda vista por cima e por baixo. E lá de baixo ela te recebe com sua singela (e poderosa) água gelada. A água vai se dissipando durante a queda (pela altura e impactos nas pedras) e chega lá embaixo como uma chuvinha gostosa. Delícia tomar um banho ali.

 Janela do Céu

7.700 m. – Cartão postal do parque e da cidade, a Janela do Céu é um dos lugares mais encantadores de Ibitipoca. O poço que beira do precipício é mais raso, permitindo que as pessoas sentem ali e admirem o cenário emoldurado pela vegetação local. Parece uma janela, mesmo.

Para chegar, segura o psicológico e cuide dos joelhos, pois até a Janela do Céu você exigirá um pouquinho de suas pernocas.  Primeiro você chegará ao mirante. Depois, desça uma escada de madeira até o poço da cachoeira. Se você não tem medo de água fria, vale a pena ir nadando de olho na “janela”. Esse ângulo de visão estarão em sua memória para todo o sempre!


Anote aí!

Horário de funcionamento do parque: 7h às 18h, de terça à domingo. Segunda-feira o parque não abre; exceto quando coincidir com feriado ou recesso, sendo o fechamento postergado para o primeiro dia útil posterior ou outra situação a ser definida pela gerência da Unidade.

Nos finais de semana, feriados ou períodos de eventos na cidade chegue cedo para garantir a sua entrada, o número de ingressos é limitado a: 300 (trezentas) pessoas por dia nos dias úteis; 800 (oitocentas) pessoas por dia aos sábados e domingos, feriados nacionais e/ou estaduais do Estado de Minas Gerais.

  • Graciane

    Muito boa essa dica de passeio, lugares maravilhosos, essa Cachoeira dos Macacos é lindíssima, e bom saber que tem infra estrutura por perto, dica anotada!

  • Rachel Hansen

    Nossa que lugar maravilhoso, com uma cachoeira lindíssima. Já quero visitar esse lugar, e curti bastante. Amei demais o post!

    • Fernanda Zely

      Vai, sim, que não vai se arrepender. Ibitipoca é tudo de bom!

  • Jaque Reis

    Nossa que lugar lindo e maravilhoso *-* adoro cachoeiras e ter esse contato com a natureza. Não me importaria de andar para conhecer todo esse lugar lindo. Fiquei apaixonada. Obrigada pela dica Bjs!

    • Fernanda Zely

      É… pense nas distâncias como possibilidades. Por isso listei os lugares, assim quem não gosta muito de andar consegue aproveitar o que eleger como prioridade 😉

  • Faty souza by Mamães Forever

    Nossa que lugar maravilhoso. Essa semana fiz um passeio Mara também pela mata aqui da região. Revigorante.adorei conhecer o seu.

    • Fernanda Zely

      É muito bom poder tirar um tempo para explorar a região próxima à nossa casa. Arrasou.

  • Carol Nakamura

    Nossa quantos pontos maaaravilhosos nesse lugar :O eu amo a ideia de um blog de viagens, achei super legal e bem completo esse seu post, parabéns!

    • Fernanda Zely

      Fico feliz que tenha curtido! Apareça mais por aqui =)

  • Nani Hammer

    Que lugar maravilhoso esse contato com a natureza me fascina!